Adolescente mata a própria mãe depois de assistir vídeos do Estado Islâmico

Leave a Comment
MENINA MÁ:
Adolescente e seu namorado iraquiano planejavam fugir juntos para a Síria e lutar pelo Estado Islâmico Reprodução/ Daily Mail
 
Esta adolescente dinamarquesa aparentemente inofensiva assassinou a própria mãe depois de assistir a a vídeos de decapitações de reféns britânicos pelo grupo extremista Estado Islâmico. Após o crime, ela foi presa junto de seu amante jihadista mais velho. As informações são do Daily Mail.

A jovem Lisa Borch tinha apenas 15 anos quando começou a passar horas de seus dias assistindo às filmagens das decapitações selvagens dos britânicos David Haines e Alan Henning no YouTube.
Borch e seu namorado muçulmano radical, Bakhtiar Mohammed Abdulla, de 29 anos, foram até a cozinha de sua casa, pegaram uma faca de cozinha e deram pelo menos 20 facadas na mãe da garota, Tina Römer Holtegaard.

Em seu julgamento, a garota contou que se tornou obcecada com o extremismo islâmico depois de se apaixonar por um jihadista que a abandonou para voltar ao seu país natal e morar com a própria família.

Em seguida, ela contou que se apaixonou pelo seu atual amante iraquiano, Abdulla, que conheceu em um centro de refugiados perto de sua casa. Após matar a própria mãe, a adolescente chamou a polícia, dizendo que havia ouvido sua mãe gritar. "Olhei pela janela e vi um homem branco fugindo. Por favor, venha aqui, há sangue por toda parte".

Apesar do telefonema desesperado, a polícia encontrou Borch sentada em uma cadeira na sala de estar mexendo no celular e assistindo a vídeos no YouTube.

Quando a polícia perguntou onde sua mãe estava, ela se recusou a largar o celular e simplesmente apontou para o andar de cima. Foi esse desinteresse que fez as autoridades desconfiarem dela.
Ainda de acordo com as autoridades, a adolescente e seu namorado iraquiano planejavam fugir juntos para a Síria e lutar pelo Estado Islâmico. Borch alegou no julgamento que ela e Abdulla eram "apenas bons amigos", mas a polícia acredita que eles eram amantes.

Para as autoridades, a relação de Borch com a mãe piorou depois que ela começou a pressionar a filha para terminar seu relacionamento com Abdulla e "viver a vida de uma adolescente normal".
Embora o namorado da garota não estivesse na casa quando a polícia chegou, os investigadores encontraram suas impressões digitais no quarto da vítima.

Após passarem por julgamento, Borch foi condenada a nove anos de prisão. Já seu namorado iraquiano foi condenado a 13 anos de cadeia e será expulso da Dinamarca. R7


0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.
Posts em Destaque

Posts mais selecionados estão esperando por você . Veja isso